Queixas sexuais

Baixo desejo sexual

O desejo sexual envolve vontade, fantasias, pensamentos e busca por atividades sexuais. Uma redução temporária no interesse sexual é comum, principalmente quando há problemas e eventos estressores na rotina da pessoa. Ainda que essa queixa seja frequentemente atribuída às mulheres, homens também apresentam problemas nesta área. O baixo desejo é considerado um problema quando apresenta prejuízos à pessoa, sejam eles emocionais, no relacionamento, etc.

Sobre o tratamento, é importante considerar que o desejo sexual não surgirá “do nada”. É necessário que certos estímulos estejam presentes. Para isso, é essencial identificar quais pontos estão em déficit: Autoconhecimento, fantasias, comunicação de qualidade com parceria(s), relaxamento, rotina e hábitos que facilitem o desejo. Alguns fatores podem dificultar a presença do desejo: estresse, problemas no relacionamento amoroso ou familiar, preocupações no trabalho, dificuldade financeira, entre outras. A partir destas informações específicas, um plano de tratamento será desenvolvido para cada cliente, visando os objetivos individuais.

Avaliação médica é importante para que causas biológicas sejam descartadas, como questões hormonais, por exemplo.

Dificuldade em atingir orgasmo

Sendo o orgasmo o ápice do prazer sexual, pessoas com essa queixa apresentam ausência completa de orgasmo ou contínua dificuldade em alcançá-lo.

Nas sessões iniciais do tratamento, é necessário compreender as especificidades de cada caso: algumas pessoas terão dificuldade em alcançar o orgasmo apenas no momento do ato sexual, estando acompanhadas, enquanto outras terão em situações diferentes - por exemplo, durante a masturbação. A queixa pode estar presente desde o início da vida sexual, ou ter origem após período específico; além de ocorrer com todas as parcerias ou somente com parcerias específicas.

 

A ausência de orgasmos não define necessariamente insatisfação sexual, contudo, cada vez mais mulheres têm buscado autoconhecimento corporal para explorar seu prazer e sexualidade com maior satisfação.

Masturbação em excesso

A masturbação é uma prática saudável e que possibilita autoconhecimento, não sendo um problema em si. Torna-se uma queixa quando a frequência e ocasiões trazem prejuízos para a pessoa, podendo afetar o relacionamento amoroso, produtividade e trabalho.

Alguns problemas enfrentados são: 

- Queda de desejo sexual pela parceria atual (ou demais encontros sexuais); 

- Prática em situações onde tal prática é considerada inadequada e até mesmo passível de punição (por exemplo, ambiente de trabalho);

- Produtividade prejudicada; 

- Diminuição de qualidade de atividades da rotina;

- Queixas de ereção e/ou ejaculação;

- Entre outras.

O excesso de masturbação não está necessariamente atrelado a alto desejo sexual, inclusive, pode ser que a gratificação sexual diminua conforme a frequência masturbatória aumenta, acompanhando sensações indesejáveis.

Compreender como foi a introdução da temática sexualidade na vida daquela pessoa, como foram as experiências sexuais anteriores e quais são as percepções acerca do sexo atualmente, além de ter informações sobre as áreas prejudicadas, é essencial durante o processo psicoterapêutico.

Consumo excessivo de pornografia

Tal queixa muitas vezes está acompanhada de excesso de masturbação, o que diferencia esta da anterior é que nesta, a pornografia é indispensável. Há casos em que o consumo da pornografia não necessariamente acompanha masturbação ou outra forma de estimulação física. 

 

É geralmente identificado como um problema quando afeta áreas da vida, sobretudo a amorosa e profissional. Alguns problemas enfrentados são: 

- Queda de desejo sexual pela parceria atual (ou demais encontros sexuais); 

- Culpa pelo consumo de conteúdos que ultrapassam o que é moralmente aceitável pelo(a) cliente;

- Consumo em situações onde tal prática é considerada inadequada e até mesmo passível de punição (por exemplo, ambiente de trabalho);

- Produtividade prejudicada; 

- Diminuição de qualidade de atividades da rotina;

- Queixas de ereção e/ou ejaculação;

- Entre outras.

Compreender como foi a introdução da temática sexualidade na vida daquela pessoa, como foram as experiências sexuais anteriores e quais são as percepções acerca do sexo atualmente, além de ter informações sobre as áreas prejudicadas, é essencial durante processo psicoterapêutico.

Além das queixas descritas acima, outras demandas de ordem sexual também são tratadas, Para mais informações, entre em contato.